Relações que destroem, quando o amor fere

0

A modernidade muito se debate sobre relacionamentos e formas de abuso, alguns arriscam até dizer que no passado, isso não existia que isso é coisa que surgiu nos tempos modernos, outros até arriscam dizer que as redes sociais facilitaram, eu arrisco dizer que o que existe hoje é o conhecimento, o debate, a informação, as mulheres estão mais fortes, decididas e sabem realmente o que querem, vamos discutir no decorrer dessa matéria sobre esse assunto tão complexo.

Existem várias formas de abuso, como a emocional, física, psicológica, verbal e até sexual. Infelizmente, isso ainda é um tabu enorme, porque para muitos é considerado um relacionamento abusivo, quando a agressão física surge, e principalmente que sempre é culpa da mulher, por essas coisas ocorrerem. Em uma relação saudável há equilíbrio de ambos os parceiros, a desigualdade e falta de equilíbrio resulta o abuso.

Vamos à desmistificação do assunto, agressões físicas, os pequenos
empurrões, puxar os cabelos, ponta pear, entre outros vai muito além do soco. Já o abuso emocional, inclui gozar, provocar, humilhar, chamar nomes desrespeitosos, denegrir, esse tipo de abuso é bem mais difícil de reconhecer, pois não deixa marcas físicas, porém suas marcas são mais graves e duradouras na vítima, e podem durar anos. Geralmente, a vítima só reconhecerá esse tipo de abuso, apenas, após o término do relacionamento. Muitas vítimas nem notam, ocasionando em uma série de problemas emocionais, dependências e transtornos diversos. A sexual, trata das não consentidas, que são violações ao corpo, mesmo a vítima sendo casada, noiva ou em um namoro.

Os sinais começam de formas sutis, geralmente a vítima não consegue
compreender ou enxergar, pois começa de forma “doce”, com leves proibições, criando certa dependência emocional no outro. Por exemplo, presentes, ajuda financeira e o afastamento de pessoas que o parceiro ama. Muitas vezes são usados insultos verbais, linguagens agressivas, comentários negativos para manipulação, ou forçando a fazer algo que não queira, com um sentimento de culpa extraordinário.

A confusão é constante nesses casos, pois sempre existem milhares de
questionamentos e principalmente por ser um eterno morde e assopram, os
abusos acontecem de vez enquanto e sempre é precedida por pedido de perdão, após fatos determinantes, esses pedidos de desculpas acontecem de diversas formas, através de presentes, dinheiro, viagens, mudança de comportamento dentre outros, cada agressor saberá exatamente como deve tratar a sua vítima. Assim a vítima sempre acredita que isso não voltará acontecer, e depois de um tempo, acaba ficando condicionada a esse fator. O fato é que com o passar do tempo a abuso não melhora, apenas piora.

A necessidade de relacionar-se, se faz presente em nossa vida desde o
nascimento, com a necessidade de alguém para cuidar e nos alimentar, no
decorrer da vida, os tipos de relacionamentos vão mudando, mas o que não muda é a capacidade de se relacionar. Cada pessoa tem maneiras de relacionar-se, pois isso envolve diversos fatores, forma de criação, a infância de cada individuo, classe social, educação, e fatores externos e internos. A partir desse momento, quando duas pessoas decidem relacionar-se, ocorrem divergências, pois é necessário atentar-se aos sinais, e a primeira pergunta é, como esta sendo o seu relacionamento com o outro? Muitas vezes, o abuso se estabelece de forma sutil, no manter o controle, na manipulação, fazendo com que o outro não perceba e assim encare como uma forma de demonstração de amor.

Embora cada relação seja peculiar, é necessário atentar-se aos sinais, que se enquadram nas limitações diversas, como o que vai dizer ou vestir, menosprezar e até diminuir o outro, tirando sua capacidade de agir e seus desejos diversos, agredir seja de qualquer forma de proibir. Nessas relações, não há muito limite, fazendo com que o abusado deixe de ser ele mesmo, para evitar situações com o abusador ou até para agradá-lo.
Muitas vezes quem se encontra nesse processo, não sabe, e muitas vezes,
ambas as partes, necessitam de ajuda, tanto o abusado quanto o abusador.

Porém, é desta forma que o problema tende a se agravar, trazendo traumas e casos irreversíveis, mas vamos aos dados de no fim de 2019, segundo a CNJ, o Brasil terminou com mais de um milhão de processos de violência doméstica e 5,1 mil processos de feminicídio, ele ocupa o 5° lugar entre os países mais violentos do mundo. Cada vez mais denúncias chegam à justiça brasileira onde tramitam cerca de 900 mil processos desse tipo, desse total, 23% foram pedidos de medidas protetivas de urgência, isso se dá, porque as mulheres estão denunciando e exigindo cada vez mais medidas aos seus agressores, as medidas protetivas vem aumentando também. Mas os dados ainda estão alarmantes, pois é registrado um caso de agressão a mulher a cada 4 minutos, isso se enquadra no quadro em que as agressões são denunciadas, porém os números vão, além disso, além de não incluir vítimas que foram mortas por seus agressores.

O ultimo atlas da violência, do IPEA, com dados de 2017, mostra que a taxa de mortes de mulheres bateu recorde, chegando a 4,7 assassinatos a cada 100 mil habitantes. Esse aumento de violência, se deve, ao fato das mulheres fazerem valer seus direitos, e principalmente, porque se criou um conflito devido os homens não aceitarem a liberdade de comportamento de suas companheiras, e 70% dos casos de agressão ocorrem em sua residência.

Mas qual o real motivo da vítima não conseguir sair desse tipo de relacionamento? É simples, a mulher se sente psicologicamente presa e sempre persuadida. O companheiro analisa todos os aspectos emocionais de sua vítima, e caba disparando gatilhos emocionais, a vítima sente que não será possível se libertar nunca daquele tipo de relacionamento. No inicio do relacionamento a vitima não consegue identificar nada, e às vezes acredita que a agressão do companheiro seja uma forma de proteção e de amor, o tempo vai passando e começa o desconforto constante e diário, e a pergunta é, se ele é tão bom, por que eu me sinto tão mal? Começa um constante incomodo e infelicidade. Não existe uma fórmula mágica sobre o abuso, porque ele é superficial; e cada um ocorre de uma forma, não existe um termo exato o qual abrange. 

O abuso emocional é insidioso, e o dano causado por uma dinâmica emocionalmente abusiva, de grande alcance. Existe o abuso emocional, o abuso sutil, e o abuso velado. O sutil, é delicado e inteligente, difícil de analisar ou descrever, usa-se métodos inteligentes e indiretos para conseguir algo, difícil de notar ou ver, não é nada óbvio, e nunca demonstra o verdadeiro propósito, uso indireto de ameaça, força, intimidação ou agressão, por meio de humor, manipulação, critica ou punição, na tentativa de controlar ou dominar o outro. O abuso velado é ainda mais mascarado, bem parecido com o sutil em resumo é o seguinte, você não sabe por que se sente tão mal na relação, por que não consegue identificar a razão. 

Outro fator que prende as mulheres em relações desse tipo é a crença de que se você amar o suficiente seu parceiro ele não se comportará de forma tão dolorosa os problemas no relacionamento irão melhorar, fazendo do abusador a vítima. 

Mas existem soluções a seguir vamos dar sugestões, de como identificar se esta em um relacionamento, a seguir tem alguns alertas acerca do comportamento de um abusador. Ele é intenso e se envolve demais, tem necessidade de contato constante, considera relacionamento sério em pouco tempo, é excessivamente simpático ou não parece sincero, monopoliza sua atenção ou a desencoraja a estar com outras pessoas, especialmente se perceber se essas pessoas gostam dele, fala de forma desrespeitosa de seus antigos relacionamentos, é desrespeitoso com você. Ele lhe faz favores não solicitados ou a faz sentir-se desconfortável, monitora seus passos através de ligações, mensagens, e idas a sua casa. É possessivo, controlador, sente ciúmes sem motivo. Nada é culpa dele, ele sempre tem razão, egocêntrico. Pressiona por sexo. Ele a intimida quando esta com raiva. Trata a mulher diferente da frente de terceiros, debocha da mulher na frente dos outros ou humilha. Menospreza suas realizações ou metas, constantemente questiona você e suas decisões, sempre toma o ponto de vista contrário ao que a mulher diz. Tenta isolar sua parceira. 

Esses são alguns gatilhos dentre tantos é necessário atentar-se e se questionar, procurar ajuda psicológico é essencial, e caso a relação já tenha chegado ao abuso físico é imprescritível procurar ajuda de pessoas próximas, amigos, família e denunciar hoje existem canais de denuncia como o 180-central de atendimento a mulher, anônima e gratuita, disponível 24 horas, a delegacia da mulher que recebem com rapidez a denuncia, ressignificando vidas e prevenindo tragédias futuras. A defensoria publica também é outro meio que presta assessoria gratuitamente para quem não pode pagar um advogado. Discar o 190 o telefone da PM, a viatura da policia militar é enviada até o local, havendo flagrante de ameaça ou agressão o homem é levado á delegacia. A casa da mulher brasileira foi criada para facilitar o acesso das vitimas de violência. Lá funcionam delegacia, juizado, ministério público e defensoria pública, além de equipes multidisciplinares especializadas em garantir o acolhimento da mulher. 

Vale ressaltar também que qualquer pessoa pode denunciar. Nunca será uma tarefa fácil, sair de um relacionamento abusivo, mas é importante ressaltar que é mais que possível, aos poucos e com toda ajuda necessária, vivemos a era da informação que oferecem e dão os suportes necessários, descobrir-se como mulher é parte fundamental disso, descobrir interesses, o que gosta, definir metas e planos, e principalmente descobrir uma vida sem o parceiro é fundamental e possível, fazer uma autoanálise diariamente e ressaltar seus pontos fortes, o que realmente valoriza paixões que possua antes e abandonou o que queria muito, mas sempre tinha medo de pedir, o que sempre quis fazer, mas tinha medo de tentar, dentre tantas possibilidades. 

E principalmente enxergar como é um relacionamento saudável, na qual ambas as pessoas são livres para falar e expressar suas opiniões sem medo possui apoio mútuo e respeito. Os dois ficam a vontade para compartilhar planos, projetos, situações, e comunicar suas necessidades, sabendo que serão ouvidos e não criticados, desmerecidos ou magoados. Ambos têm permissão para ser individuo, são encorajados em seu sucesso e apoiados em tudo que resolvem fazer. 

Vão existir conflitos sim, porque não se pode esquecer que ambos são indivíduos com crenças, opiniões e idéias distintas, mas o respeito a essas diferenças é o que deve sempre permanecer, ambas as partes conversam até acharem uma solução, não há ataques pessoais, com xingamentos, ofensas, humilhações, ameaças, manipulações ou agressões físicas. O individuo sente-se amado em seu relacionamento.

Vale à pena ressaltar que toda mulher é única, que merece e deve ser feliz, comece agora. 

imagem tirada do pixabay, colaboradora Priscila Silva

Agência das 7 Mulheres
Latest posts by Agência das 7 Mulheres (see all)

Um grupo de sete mulheres, que se uniram para defender os pensamentos e direitos das mulheres. Através de conhecimento e aprendizagem.

Leave A Reply